Pular para o conteúdo principal

Smoked Pale Ale - Malte Defumado com Charuto


Para explicar de onde veio a ideia para essa cerveja vou contar uma breve história de minha vida.

Em 2005, logo depois de me formar, eu e uns amigos resolvemos montar uma empresa voltada ao mercado de charutos. Éramos jovens, ambiciosos, gostávamos de fumar charutos e... éramos tolos.

Dentre várias empreitadas mal sucedidas, resolvemos participar em um evento na Hípica de Santo Amaro e para isso entramos em contato com uma fábrica baiana e encomendamos um lote mínimo de um charuto em uma bitola específica para o evento.

O lote mínimo era de nada menos de 1000 unidades. Além disso tivemos uma ideia bacana de juntamente com Erádio Perez, um cubano radicado no Brasil e que fabrica os excelentes charutos Siboney, de levar uns profissionais cubanos para enrolar charutos no evento. Até hoje eu mantenho um Culebra que foi preparado no dia.


Charuto Culebra

Não só o evento teve um público muito aquém do esperado, como o público teve um comportamento muito diferente do que esperávamos. Dos 1000 charutos, conseguimos vender algo em torno de 20!! Isso mesmo, não ria, saímos do evento com algo em torno de 950 charutos de estoque (senão me engano demos mais charutos de brinde do que vendemos).

Uma caixa umidora
E  como consequência disso passei os últimos anos fumando charutos expoequi. Até o final do ano passado quando encontrei o último charuto expoequi na minha caixa umidora de charutos. Sim, você precisa de uma caixa de madeira especificamente feita para evitar variações de umidade e temperatura para seus charutos. E de tempos em tempos colocar agua na esponja e conferir a condição dos charutos. É um hobby caro e trabalhoso, ainda bem que eu abandonei isso para me dedicar à cerveja artesanal, muito mais simples e acessível (só que não) .



Pois bem, encontrei o último charuto expoequi no fundo de minha caixa umidora e decidi fazer um lote de cerveja em homenagem a essa empreitada e enviar para meus ex-sócios e amigos que acompanharam esse momento da minha vida.



Então surgiu a questão, como colocar o aroma do charuto na cerveja?

Encontrei essa notícia (http://portaldotabaco.com.br/cerveja-de-tabaco-e-premiada-em-concurso-nacional/) e algumas referências gringas para utilização de tabaco em cervejas, mas nada que explicasse muito bem o processo.

Soube de uns belgas que colocavam seis charutos na fervura para um lote de 100 litros. Soube também que os italianos da Birra del Borgo fizeram uma série especial de sua Maledeta com charutos "Toscano" - uma interessante marca de charutos italianos.

Porém, ao estudar as possibilidades eu deparei com um fato que me incomodou. A nicotina do tabaco se dilui facilmente em água quente e em grande dosagem é altamente venenosa. Pelos meus cálculos, a quantidade de nicotina de um charuto diluída em 20 litros estaria longe de uma dosagem venenosa. Ainda assim poderia causar enjoo em pessoas não acostumadas com a nicotina.

Assim, resolvi ao invés de adicionar o charuto na fervura, utilizá-lo para defumar o malte. Como não tenho um defumador, tive que improvisar. Seguindo algumas orientações em videos. Encontrei um da Ana Maria Braga e do pessoal da Pompeia Hidroméis.



Assim, improvisei essa técnica no fogão de casa, partindo do malte Pilsen, tive que usar três charutos no total, assim usei o último expo-equi e mais dois baianos... Num primeiro momento eu achei que não tinha dado muito certo, mas no outro dia eu percebi que havia passado bastante aroma para o malte. Para uma receita de 20 litros eu usei 2 kgs de malte defumado dessa forma.



O resultado final ficou excelente. O defumado do charuto ficou bem perceptível na cerveja, mas não em exagero, acho que foi na medida. Aroma de caramelo e um quê de picante do defumado. Sabor caramelo, defumado e torrado remetendo a café. Lupulo bem equilibrado. O tabaco se nota no retrogosto de uma forma interessante. 



                                                                                                                                                  
Acesse nosso site: cervejasextremas.com
Siga-nos no twiiter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…