Pular para o conteúdo principal

Cerevisia Quae Sera Tamem

Cerveja, Ainda que Tardia



Depois de uma cerveja em homenagem ao Paraná e uma em homenagem ao Rio Grande do Norte, agora eu homenageio a terra do meus antepassados por parte de pai, o glorioso estado de Minas Gerais.

Quando eu era criança e ia de férias para Teófilo Otoni no nordeste mineiro eu tomava um refrigerante que meus primos de lá diziam ser "o melhor do mundo", o Mate Cola.

Realmente era um refrigerante muito refrescante e saboroso, feito com erva-mate e chapéu-de-couro. E apena era possível encontrá-lo na cidade de Teófilo Otoni, nas cidades vizinhas já não tinha. 






Eu ficava confuso quando depois ia para Belo Horizonte e lá encontrava o Mate-Couro, outro refrigerante que leva erva-mate e chapéu de couro. Eu perguntava para meus tios e primos se os dois refrigerantes tinham alguma relação mas ninguém sabia me explicar. Apenas atualmente com o advento do google que eu consegui satisfazer minhas dúvidas. Aparentemente dois amigos fundaram a Mate Couro em Teofilo Otoni em 1945, mas devido dificuldades financeiras acabaram por vender a marca e a fórmula para uma empresa de Belo Horizonte. Com o capital da venda eles retomaram o empreendimento algum tempo depois com o nome de Mate Cola.

Curiosamente a Oettinger - cervejaria alemã - produz um soft drink que leva erva-mate e tem o mesmo nome da similar mineira.





Mas o que eu ficava mais confuso era o porquê dos mineiros fazerem refrigerantes com erva-mate se ninguém ali tomava chimarrão como no Rio Grande do Sul nem chá-mate como no Paraná. Esta dúvida nem o google conseguiu me responder...


Enfim... como eu queria uma cerveja  com forte aroma de malte e ésteres frutados da levedura para acompanhar as ervas, resolvi fazer uma cerveja no estilo de uma Belgian Specialty Ale com Erva Mate e Chapéu de Couro.


A erva-mate, neste caso, é a processada para fazer chá-mate, a erva tostada, e não a para fazer chimarrão, a erva verde. Já o chapéu de couro utilizei a erva seca conforme é utilizada para se fazer chá.


Erva Mate Tostada

A Ilex Paraguensis tostada é a erva tradicional do chá-mate. Rico em polifenóis, taninos, cafeína e teobromina. Já abordei essa maravilhosa erva que representa muito o nosso país neste tópico. O fabricante recomenda fazer uma infusão de 16g por litro. Mas nesse caso, como eu quero extrair bastante amargor, optei por fazer uma decocção de 10 minutos, o que é recomendado em algumas fontes. Por outro lado, como pretendo utilizar também o chapéu de couro, resolvi diminuir essa dosagem pela metade.
Decocção - 8g por litro - 10minutos




Chapéu de Couro


O chapéu-de-couro (Echinodorus grandiflorus) é uma planta semi-aquática nativa do Brasil, sendo encontrada principalmente no Sudeste em regiões alagadas de cerrado, sobretudo nos estados de Minas Gerais e São Paulo, porém, também pode ser encontrada no Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul) e Sul (Paraná e Santa Catarina). 
Erva com sabor amargo e refrescante com alcalóides, flavonóides, resinas, saponina, tanino e triterpenos. Possui propriedades antirreumáticas, diuréticas, anti-inflamatórias e atua como depurador  do sangue. 
A dosagem que eu escolhi foi de 5g de Chapéu de couro por litro realizando uma decocção por 5 minutos.
Eu joguei o chapéu de couro direto na fervura, o que eu descobri ser um grande erro, a erva é muito volumosa e absorveu muito da cerveja jovem, próxima vez farei um chá bem concentrado à parte adicionarei ao final da fervura.



O resultado final foi uma cerveja de coloração castanha, carbonatação moderada. O aroma apresenta alguns ésteres frutados provenientes da fermentação com a levedura belga mas o aroma do chapéu de couro predomina, quase não se sente a erva-mate. No sabor sente-se uma rica maltosidade que equilibra com o forte condimentado proveniente da fermentação e das ervas. 






Gostei bastante do resultado, a lição que ficou foi para uma próxima receitar adicionar um pouco mais de erva-mate e um pouco menos de chapéu-de-couro, pois eu esperava sentir um pouco do aroma mentolado da erva mate tostada e isso não ocorreu.

                                                                                                                                                                   




Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…