Pular para o conteúdo principal

A Cultura do Growler

Fugindo um pouco do assunto cervejas extremas, vou tratar de um assunto que tem ganhado força em terras brazucas, a cultura do Growler. Eu ouvi falar a primeira vez de growler no bar da Brewdog quando morava em São Paulo em 2014 e hoje, pouco mais de dois anos após isso, eu tenho nada menos que seis growlers de dois litros, um de três litros e alguns de um litro. E tenho percebido que a quantidade de opções e lugares onde se pode enchê-los tem crescido exponencialmente...

Já li uma crítica à cultura do growler dizendo que é um processo que prejudica as cervejas, não sendo corretamente sanitizado e que permite entrada de oxigênio no processo de envase, a crítica fazia uma analogia a ir em um restaurante de luxo e pedir uma quentinha para viagem e depois a esquentar no microondas ao chegar em casa horas depois. Convenhamos... me pareceu uma crítica um tanto exagerada e injusta. Claro que pode ocorrer a entrada de oxigênio de forma a prejudicar a cerveja, mas não de forma tão exagerada que a possa comparar com uma "marmita-gourmet".

O que eu acho mais legal nesta cultura do growler é a questão econômica e a sustentabilidade em comparação com o envase tradicional em garrafas de vidro descartáveis. vivemos em uma sociedade que tudo é descartável e carregar um growler debaixo do braço para ir à sua cervejaria favorita me parece uma salutar atitude transgressora.

Como participar desta tendência?

Você pode adquirir um growler em diversos lugares. Na internet pode-se achar facilmente no Mercado Livre e na loja on-line do Lamas e pessoalmente nos diversos quiosques do Mr. Beer, na Bodebrown e em diversas cervejarias. Além disso, pode-se encontrar growlers em alguns dos kits das cervejas colaborativas do socialbeers.

Além desses, existem dois sites especializados em growlers: o siphon e o browlers.


Existem alguns lugares que eu conheço e que eu sei que vendem e enchem growlers:


  • Bodebrown em Curitiba todas sextas à noite e sábados pela manhã
  • Cervejaria Swamp em Curitiba aos sábados à tarde (preço, variedade, qualidade e atendimento fantásticos!)
  • Cervejaria Masmorra, Curitiba
  • Cervejaria Waybeer em Pinhais aos sábados
  • Beer-to-go, um bar especializado em growlers em Curitiba
  • Cervejaria Nacional em São Paulo
  • Brewdog Pub em São Paulo
  • Empório Alto Pinheiros em São Paulo
  • Cervejaria Caborê em Paraty


Existem outros lugares que eu já ouvi falar que servem, mas nunca fui pessoalmente:

  • Growler Brasil, Haus Bier, Bierhoff, Gaudenbier, Tiwanaku, Monde Hop e Cervejaria da Vila em Curitiba
  • Cervejaria Porto de Cima em Morretes
  • Formosa Pub em Francisco Beltrão
  • Eisenbahn em Blumenau
  • Caverna, Botto e Brewteco no Rio






Além disso, o growler possui enorme vantagem para o cervejeiro caseiro que pode envasar suas cervejas sem necessidade de tampinhas. E ainda permite fazer uma bela coleção como se pode ver nos belos growlers que ilustram esse tópico.








                                                                                                                                                  
Acesse nosso site: cervejasextremas.com
Siga-nos no twiiter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…