Pular para o conteúdo principal

Lager Escura com Pinhão e Erva Mate


O Brasão do Estado de 1910
Fazia um tempo que eu queria fazer uma cerveja usando pinhão e erva mate, duas especiarias típicas do Paraná, que inclusive fazem parte da bandeira e do brasão do estado. Ao lado o brasão de 1910, de autoria do pintor Alfred Andersen, o "pai da pintura paranaense", que era muito mais belo que o atual, diga-se de passagem.
Foram muito relevantes para o estado os ciclos econômicos do pinho (por conta da madeira da araucária) e da erva mate em fins do século XIX e início do século XX. 

Eu não sou paranaense de nascimento, nasci no Rio de Janeiro, mas esta terra do Paraná me acolhe atualmente e vivi quase metade da minha vida aqui, sendo que me identifico mais com a cultura paranaense do que com a carioca.




Bandeira do Paraná ao centro, ramo de erva-mate à esquerda e de araucária à direita 

Pinhão

A Araucária é uma árvore típica do sul do Brasil e pode ser encontrada também nas regiões serranas do sudeste do Brasil, na Argentina e Paraguai. Porém o Paraná é o estado com maior incidência uma vez que era onde se encontrava a Mata de Araucárias. E uma das versões para o origem do nome da cidade de Curitiba vem a ser "terra de muito pinhão".
Nem de longe fui o primeiro a ter essa ideia de usar pinhão como fonte de material fermentável em cervejas. Existem algumas cervejas comerciais assim feitas e inclusive uma tese de mestrado na USP de autoria de Raquel de Almeida Batista, que avalia a produção e avaliação sensorial da cerveja feita com pinhão como adjunto. 
O pinhão é uma boa fonte de amido e possui baixo conteúdo de proteínas e lipídios, o que são características favoráveis à produção de amido estável, branco e sem odor, o que é interessante para a produção de cerveja. No entanto, há a necessidade de enzimas para conversão do amido e para isso se sugere um malte que tenha alto poder diastático. 
A tese da Raquel Batista indicou melhores resultados na proporção 10:90 de pinhão para malte e que o pinhão pode ser utilizado tanto sem casca como com casca, ressaltando-se que a casca possui grande quantidade de compostos fenólicos que, se por um lado adicionam coloração e aroma, por outro lado podem inibir o desenvolvimento da levedura.

Erva Mate

Sapeco da Erva Mate - Alfredo Andersen
Já a erva mate tem sua origem disputada entre gaúchos, argentinos, paraguaios, paranaenses, uruguaios e catarinenses com bastante afinco.
A utilização da erva mate como infusão remonta aos Índios Guaranis que habitavam a região. E, como o pinhão, também já foi usada como insumo para cervejas por pelo menos uma cervejaria comercial.
Folhas e ramos finos são moídos, secos e triturados para fazer o chimarrão do sulista e o tererê do centro-oeste, enquanto as folhas tostadas são utilizadas no chá-mate tão difundido no sudeste.
Para essa cerveja eu optei por utilizar a erva mate nas duas formas. Erva mate tostada durante a fervura para dar um pouco do amargor e erva seca no "dry-hopping" para aroma.


A Brassagem



A minha ideia original era fazer uma Vienna Lager, no entanto no dia que eu comprei o malte para essa cerveja eu comprei também um malte Carafa para uma cerveja belga que eu planejava fazer na sequência e, muito estupidamente, pedi para moerem tudo junto. Apenas quando cheguei em casa percebi que havia misturado maltes de cervejas diferentes e aí não havia mais nada por fazer. Então voltei pro brewsmith e consegui encaixar uma receita de uma dunkel. No final, existem males que vem para o bem, e acredito que isto não tenha sido de todo ruim.


Faltou nesta tabela 30 gramas de erva mate seca (chimarrão) que foram adicionados em dry-hopping no secundário e a levedura utilizada foi a German Lager da Bio4 - SY004


No canto superior esquerdo os ingredientes e ao lado o pinhão picado


O Resultado


Algumas semanas depois da brassagem abri uma garrafa e o resultado foi muito satisfatório. O aroma de café do malte carafa casou muito bem com a erva-mate que ficou bem pronunciado e remeteu a um sabor um tanto mentolado. Infelizmente não deu para sentir nada do pinhão que ficou totalmente mascarado. O drinkability e a aparência ficaram muito bons.



                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twitter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…