Pular para o conteúdo principal

Cervejas Históricas

O novo guia BJCP, abordado aqui, criou uma categoria interessante, a 27 - Historical Beer, que aborda estilos que já foram populares no passado e que praticamente desapareceram, e em alguns casos desapareceram de fato, sendo que atualmente surgiram recriações. 

O guia apresenta alguns estilos já definidos nesta categoria, mas deixa um espaço aberto para um competidor apresentar sua cerveja em outra categoria, desde que apresente uma descrição do estilo com detalhes suficientes para que os juízes possam entendê-lo. A categoria pode ser utilizada dessa forma para cervejas tradicionais ou indígenas de importância cultural em certos países - o que talvez abra espaço para que algum competidor apresente sua cerveja como estilo Cauim.


O guia apresenta nove estilos pré-definidos, que são comentados a seguir.

Gose


Uma cervejas frutada, de trigo, altamente carbonatada, ácida, com aroma de coentro, pouco amargor e um pouco salgada. Muito refrescante e menos ácida que uma Berliner Weisse ou uma Gueuze, deve ser servida em copos cilíndricos.

É um estilo associado à cidade de Leipzig mas originário na cidade de Goslar, a beira do rio Gose, durante a idade média. A produção desta cerveja diminuiu grandemente com a Segunda Guerra e desapareceu completamente em 1966, sendo recriada a partir dos anos 80.


Kentucky Common

Foi um estilo popular nos estado americano de Kentucky de 1850 até 1920, quando foi implementada a Lei-Seca. Uma cerveja escura, leve com um final seco e um aroma interessante de malte. Era uma cerveja barata e rápida de ser produzida. Cogita-se que seja uma variação da Cream Ale americana e que os maltes escuros foram colocados pelos imigrantes alemães na região para compensar o PH da água da região.




Lichtenhainer

Uma cerveja alemã de trigo ácida, defumada e de baixa gravidade. Originada em Lichtenhain na Alemanha Central, teve seu auge no final do século XIX.

London Brown Ale

Uma brown ale escura, doce e bem maltada com aroma bem significativo de caramelo. Desenvolvida em 1902 pela cervejaria Manns, declinou em popularidade a partir da metade do século XX e hoje está praticamente extinta.

Piwo Grodziskie

Conhecido também como Grätzer, foi desenvolvida na cidade de Grodzisk na Polônia e fez bastante sucesso no final do século XIX e início do século XX. Feita inteiramente com malte de trigo defumado em carvalho que a deixam com uma cor dourada e um aroma defumado. A Bodebrown já produz desta cerveja em terras brazucas como forma de homenagem à imigração polonesa na cidade de Curitiba, a Grodziskie Grätz Polska Ale.




Pre-Prohibition Lager


Uma versão da Pilsner feita pelos imigrantes alemães nos Estados Unidos utilizando malte e lúpulo nativos. O estilo morreu com a lei-seca e foi retomado com os cervejeiros caseiros nos anos 90.

Pre-Prohibition Porter


Estilo desenvolvido pelos colonos americanos e que inclusive chegou a ser brassado pelo próprio George Washington.


Roggenbier


Uma dunkelweizen feita com centeio ao invés de trigo, essa ale tem suas origens na idade média. Foi criada na cidade de Regensburg na Bavária.




Sahti

Uma forte e pesada cerveja tradicional finlandesa com bagas de zimbro. Remete à idade média na Finlândia e era feita para acompanhar festividades como casamentos. Lembra a Weizenbocks, mas com um aroma forte de gin proveniente das bagas de zimbros. Muitas vezes essa cerveja não leva lúpulo.




                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twitter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…