Pular para o conteúdo principal

Lúpulo é Só Mais Uma Erva, Cara!

Minhas Experiências com Gruit

Como pode ser visto no tópico anterior, Gruit era o nome dado a uma mistura de ervas aromáticas usadas para dar amargor à cerveja antes da popularização do lúpulo a partir do século XVI. As três ervas mais utilizadas e que compõem a chamada “santíssima trindade do gruit” são: 


Dessas três ervas, apenas a Aquiléia eu consegui encontrar aqui Brasil. Encontrei em uma loja de produtos naturais depois de pesquisar um pouco. As outras duas ervas são difíceis de encontrar até mesmo no exterior, eu comprei nos Estados Unidos por meio deste site  http://www.wildweeds.com/herbs/index.html.

É importante ressaltar que essas ervas possuem certa toxidade, quando eu li isso eu já havia feito uma receita e fiquei bastante receoso. Resolvi fazer alguns chás com as ervas para experimentar. Fui aumentando a dosagem aos poucos e o que eu acabei por sentir foi um pouco de dor de cabeça. 

Assim, eu resolvi fazer uma Gruit Ale a partir desta receita do site gruitale.com. Mas o resultado não ficou muito bom. Fiz algumas adaptações na receita e acabei deixando muito aromática e pouco encorpada e com isso não ficou muito equilibrada.




A cerveja ficou bem exótica, com um aroma que lembra a própolis. Gostosa a princípio, mas muito enjoativa. Na fermentação secundária eu separei um lote de 5 litros e temperei com uma pitada de cominho - que era um tempero muito utilizado em Gruits. O resultado desse lote foi simplesmente desastroso. Eu acho que subestimei o poder do cominho ao jogar a pitada... ele simplesmente dominou o sabor da cerveja. Ficou intragável.
Minha Primeira Gruit

Depois dessa experiência, que ocorreu há cerca de quatro meses, eu resolvi tirar o dia hoje para fazer novas experiências com gruit. Dessa vez resolvi fazer duas receitas. A primeira é essa versão de gruit do século XIV que consta no site Gruit Ale e no livro do Stephen Buhner. Na verdade essa receita foi resgatada pelo Dr. John Harrison e o pessoal do Durden Park Beer Club. Esta receita leva as três ervas do gruit em uma quantidade pequena, apenas 2g de cada para uma receita de 5 litros. Mas mesmo com pouca quantidade de cada erva o aroma ficou bem forte durante a brassagem.



E a segunda Gruit do dia foi uma receita que consta no livro do Randy Mosher.  Não é possível ver na tela do Brewsmith toda a listagem de ervas que vão nesta receita, e por isso vou listar aqui: Bagas de zimbros, mírica, mil-folhas, wild-rosemary, artemísia, cominho, sementes de uvas, cardamomo, cravo em pó, alecrim, folhas de louro e eu resolvi adicionar por conta própria, para um toque de brasilidade, folhas de guaco.



Abaixo algumas fotos da brassagem do dia.




E o resultado final são esses dois pequenos lotes de 5 e 6 litros fermentando na geladeira. 


Porque eu não me arrisco mais a fazer lotes grandes de gruit
Daqui a algumas semanas eu posto fotos das cervejas finalizadas e comento o resultado.

Em tempo, o título da postagem é baseado no título do capítulo sobre gruit ale e outras cervejas sem lúpulo do livro do Randy Mosher.

                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twitter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas







Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…