Pular para o conteúdo principal

Gruit - Cervejas sem Lúpulo

Gruit Ale - Cervejas sem Lúpulo da Idade Média


Gruit era o nome dado a uma mistura de ervas aromáticas usadas para dar amargor à cerveja antes da popularização do lúpulo. As três ervas mais utilizadas e que compunham a chamada “santíssima trindade do gruit” eram: 
Dessas três ervas, apenas a Aquiléia é encontrada no Brasil. É possível encontrá-la em lojas de produtos naturais com certa dificuldade (eu diria que você encontra em duas ou três lojas em cada dez). As outras duas ervas são difíceis de encontrar até mesmo no exterior, mas podem ser compradas nos Estados Unidos por meio deste site http://www.wildweeds.com/herbs/index.html

É importante ressaltar que essas ervas possuem certa toxicidade, e por isso deve-se usá-las com alguma cautela. O Randy Mosher escreveu algo do tipo em seu Radical Brewing: "se for utilizá-las, você está por sua conta e risco". Bem, eu já utilizei as três ervas em umas receitas, por minha conta e risco, e sobrevivi para escrever estas linhas. 

Além dessas três ervas, eram utilizadas diversas outras especiarias e ervas, tais como: bagas de zimbro, sálvia, alecrim, gengibre, artemísia-comum, etc.

O gruit era elaborado por ordens monásticas, que sabiam quais eram as proporções corretas e mantinham o monopólio da produção, e eram revendidas para os produtores de cerveja que a faziam em casa ou nas suas tavernas.

Ascensão do Lúpulo


O uso exclusivo do gruit como agente de amargor nas cervejas foi diminuindo gradativamente entre o século XI e o final do século XVI. Sendo que algumas (poucas) cervejas tradicionais sem lúpulo sobreviveram até os dias de hoje. Como a Sahti na Finlândia, que leva em suas receitas as bagas de zimbro (juniper berries).

Os motivos para esta diminuição não são muito claros. Alguns livros, como o excelente Beer in the Middle Ages and Renaissance, defende que o sucesso das cervejas lupuladas se deu mais devido às propriedades de conservação do lúpulo que aumentaram a durabilidade da cerveja. E que isto, alinhado com a evolução da tecnologia em se produzir cervejas lupuladas, fez com que estas sobressaíssem em consumo ao vinho e ao hidromel entre os séculos 16 e 17.

Razões de ordem política e econômica

Outros possíveis motivos foram de ordem política; dado que os príncipes europeus queriam se livrar da influência política da Igreja Católica - que por meio dos mosteiros controlavam a produção do gruit -, e assim eles apoiaram o movimento liderado por Martinho Lutero; a Reforma Protestante. Coincidência ou não, o Reinheitsgebot foi promulgado em Ingolstadt de 1516, enquanto o Martinho Lutero pregou suas 95 teses na igreja de Wittemberg (a 400km de Ingolstadt) em 1517, iniciando a Reforma Protestante

Alguns autores como o Stephen Burner em seu Sacred, Herbal and Healing Beers, aponta como motivo para a ascensão do lúpulo como um golpe do protestantismo contra as tradições festivas católicas, e como um movimento puritano no sentido de promover a troca das gruit ales (que usam ervas com efeitos estimulantes e afrodisíacos) por cervejas lupuladas (que usa o lúpulo que tem efeitos sedativos). Desta teoria surgiu o interessante movimento pelo Revival das Gruit Ale - http://www.gruitale.com/intro_en.htm. Que tem como mote:
Dedicado à restauração da Gruit Ale, a cerveja que estimula a mente, cria euforia e aumenta o desejo sexual.



Eu, particularmente, acredito que todos os fatores apresentados tiveram sua influência na consolidação do lúpulo, e que é um tanto simplista se explicar com apenas um dos fatores. Explicar que seriam apenas as propriedades de conservação do lúpulo, me parece um argumento um tanto frágil, mesmo porque as gruit ale que eu fiz há uns quatro meses ainda não estragaram.


É possível encontrar diversas receitas de Gruit Ales nas seguintes fontes:

                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twitter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas










Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…