Pular para o conteúdo principal

Cauim

Cauim era o nome genérico para diversas bebidas fermentadas dos indígenas brasileiros. Podia ser feito à base de milho, mandioca, caju, batata, banana, abacaxi, etc. Mas o mais comum era a bebida feita a partir da mandioca. O processo era bastante simples; a matéria-pima é cozida, mastigada e recozida para que as enzimas da saliva possam quebrar o amido em açúcares fermentáveis. É a mesma técnica utilizada na Chicha, e que antigamente era usada no Saquê.

Como já dito, Cauim era o nome genérico, e existiam diversos termos que os nativos americanos davam para bebidas fermentadas a depender da fonte de açúcares fermentáveis. Quase como se fossem os estilos de cerveja. Por exemplo: abatiui (milho), beeutingui (farinha de mandioca), caxiri (buriti), nanaí (abacaxi), tikira (beiju) e tucanaíra (mel de abelhas).







O viajante Jean de Léry, que esteve no Brasil durante o século XVI, fez um relato de viagens na qual descrevia a produção e o consumo do cauim pelos nativos tupinambás, a qual eu transcrevo simplificando:
A preparação do cauim era um trabalho estritamente feminino, pedaços finos de mandioca eram fervidos até ficarem bem cozidos e se deixava resfriar. Então as mulheres e as meninas se reuniam ao redor da panela; levando uma porção até a boca, mastigavam bem, cobriam de saliva e colocavam em um pote. A pasta de raiz mastigada era posta no fogo e mexida até cozinhar. Por fim, a pasta era colocada em grandes potes de barro para fermentar durante três ou quatro dias.
A bebida resultante era um vinho opaco e denso com sedimentos, lembrando o gosto de leite azedo. Podia ser misturada com várias frutas e sua graduação alcoólica costuma ser em torno de 4%, mas quando armazenada, enterrada durante anos, podia alcançar até 14%. Nesses casos algumas chegam a ser reputadas a um aroma similar ao das cervejas lambics da Bélgica.  

Na Guiana os nativos utilizavam um tipo de fungo (Rhizopus) para realizar a sacarificação, resultando em uma bebida mais forte, chamada  parakari.

A minha ideia é fazer algo parecido, mas usando o Jiuqu (ver vinho de arroz chinês), uma vez que esse fungo realiza a sacarificação do amido. Eu li no livro "The Art of Fermentation"(ver livros que não podem faltar...) que o Sandor Katz já tentou fazer isso com batata, e o resultado foi catastrófico. Mas eu sou temerário e vou tentar mesmo assim fazer a minha versão com mandioca.

Encontrei uma receita de "Manioc Ale" no Sacred and Herbal Healing Beers do Stephen Buhner e traduzo aqui em baixo:

  • 2 libras de tapioca - ele sugere tapioca por ser mais fácil de encontrar nos USA, mas nós podemos substituir por mandioca cozida
  • 2 galões de água (aproximadamente 7,5 litros)
  • Fermento

Moa a tapioca, umedeça de forma a fazer pequenas bolas de um a dois centímetros de diâmetro. Ponha uma bola na boca (hã?!) e trabalhe com a língua até completamente umedecê-la com saliva (definitivamente eu não vou fazer isso!!). Mantenha sua boca fechada de forma que o calor torne o processo mais eficiente; o processo estará completo quando grudar no céu da boca. O.o
Remova da boca e deixe secar. Coloque tudo em um pote e adicione os 2 galões de água a 65oC e deixe resfriar até 21oC naturalmente. Adicione a levedura, cubra e deixe fermentar por aproximadamente uma semana.

Eu pensei em algumas formas de se fazer o Cauim:
  1. A autêntica - mastigando para que as enzimas da boca possam converter o amido - conforme descrito acima
  2. Usando o fermento chinês Jiuqu que consegue fazer a sacarificação do amido
  3. Usando Alfa Amilase que é uma enzima utilizada no setor de alimentos
  4. Usando um malte que tenha alta capacidade diastática (capacidade de conversão do amido) - (essa ideia eu "roubei"do amigo Rafael Oliveira)

Eu pretendo começar minhas experiências a partir do item 2, porque achei a forma autêntica muito hardcore pro meu gosto.
Em breve começo a postar os resultados.

Festejo Tupinambá











Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…