Pular para o conteúdo principal

Cauim com Açaí

Como prometido aqui, eu resolvi adicionar uma fruta àquele Cauim fermentado com Jiuqu. A fruta que acabei escolhendo foi o açaí.

Comprei uma polpa de açaí congelada sem açúcar e  deixei descongelando. Depois disso, simplesmente misturei com o Cauim.

O resultado não foi uma melhora significativa. Ao componente ácido adicionou-se um gosto terroso e ao final das contas não melhorou muito. Nas vias de fato, me pareceu que esses dias que eu deixei o Cauim na geladeira aumentou significativamente sua acidez. Provavelmente por ação de alguma acetobacter.

Tenho que admitir que visualmente melhorou um pouco, mas não muito. Deixou de parecer leite para aparentar leite de soja com uva. Ficou muito, mas muito longe da minha expectativa de se aproximar de uma cerveja lambic belga.... acho que eu estava muito pretensioso.





A minha conclusão é que essa técnica não foi aprovada. Por ora, não farei mais Cauim com Jiuqu. Passemos para as próximas teorias, futuramente tentarei fazer a conversão enzimática do amido usando amylase alimentícia e misturando a mandioca com algum malte com grande capacidade de conversão de amido.



                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twitter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Comentários

  1. Colega, é necessário uma primeira fermentação para sacarificar o amido para só depois usar o fermento. Os índios faziam essa primeira fermentação de três modos: mastigando a mandioca cozida, utilizando farinha de milho maltado ou utilizando beijus embolorados (como no saquê). Nas três formas são enzimas que fazem a sacarificação. Nas 3 formas a mandioca era cozida ou recozida por tempo prolongado em temperatura baixa para as enzimas poderem fazer seu trabalho. A fermentação alcoólica é a menos importante de tudo, tanto que os índios só transferiam o mingau para um pote de barro, botavam uma folha de bananeira em cima e esperavam.

    Não entendo de produção de cerveja, mas indo para um lado moderno, depois de cozinhar a mandioca como se fosse pra comer, tira do fogo, retira o máximo de fibra (aqueles fios) amassa bem, peneira para remover mais friba e adiciona malte de cevada ou enzima comedora de amilase e de amilopectina (a mandioca possui mais amilopectina). Depois joga de novo na panela, adiciona água e cozinha abaixo de 55º até ficar doce o suficiente para receber o fermento. O amido tem que gelatinizar para as enzimas funcionarem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luís, obrigado pelos comentários. Deveras pertinentes. Só esclareço que na experiência em pauta eu utilizei um tipo de fermento chamado Jiuqu que contêm uma cultura de microorganismos similar àquela que faz o saquê, conseguindo assim fazer a sacarificação do amido.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…