Pular para o conteúdo principal

Braggot


Braggot é o nome do hidromel que leva malte, também chamado de bracket, bragaut e bragawd. A origem dessas curiosas palavras vem do irlandês antigo (brach) ou do galês (brag, bragio) que significa "brotar". O fato do nome vir do galês não significa que eles tenham-na inventado, as origens do braggot são realmente muito antigas, beirando o início da civilização. No entanto, com o tempo o mel se tornou um componente secundário em cervejas e o último reduto em que a cultura do braggot sobreviveu foi no país de Gales. Os galeses eram famosos por suas cervejas com mel até o advento da Revolução Industrial, mas por volta de 1800 as cervejas galesas já não levavam nenhum mel.


No Guia BJCP 2015 para Hidromel o Braggot está na categoria M4A, e ali se afirma que a impressão geral da bebida deve ser de um blend harmonioso de hidromel e cerveja, mantendo-se as características distintas de ambos. Uma extensa variedade de resultados é possível a depender do estilo base da cerveja, do tipo de mel, especiarias utilizadas e diversos outros fatores. Tanto pode-se fermentar o malte e o mel juntos quanto realizar um blend entre um hidromel e uma cerveja.



Os açúcares no mel são, em geral, 95% fermentáveis, consistindo tipicamente de 38% frutose, 30% glucose, 8% dissacarídeos diversos e 3% de dextrinas não fermentáveis. O mel também possui bactérias e leveduras selvagens mas o seu baixo conteúdo de água mantêm esses microorganismos dormentes. Por isso é recomendável pasteurizar o mel antes de colocá-lo para fermentar.

O National Honey Board (grupo promocional filiado ao ministério da agricultura dos Estados Unidos que trabalha com o propósito de educar o consumidor quanto aos benefícios do mel) recomenda as seguintes porcentagens ao se adicionar mel na cerveja:


Porcentagem 
(por peso de material fermentável)
Propósito
3 a 10%
Para um sutil aroma de mel em ales leves e lagers
11 a 30%
Para desenvolver um distinto aroma de mel. Aromas fortes de lúpulo, malte tostado ou caramelizado, especiarias ou outros ingredientes devem ser considerados na receita para equilibrar o forte aroma de mel.
30-66%
Braggott
66%+
Qualquer fermentado com mais de 66% de mel deve ser considerado uma forma de hidromel
    

Minhas Experiências 

Já contei aqui uma experiência minha fazendo uma braggot temperada com cacau. Além dessa, eu fiz uma braggot seguindo uma mistura entre esta receita e essa ao final deste post. Desenvolvi assim uma receita para 6 litros.
  • 1kg de mel
  • 1 kg de malte DME
  • 14 g de lúpulo fuggles
  • 10 g de gengibre
  • 1 limão siciliano
  • 1g Yeastex
  • 3g Actibiol
  • 1 pacote Red Star Pasteur Champagne
Fervi o malte com o lúpulo em três litros de água durante 50 minutos. Desliguei o fogo e juntei o mel, o gengibre e suco e lascas do limão e deixei uns 30 minutos a uns 70oC.

Eu havia deixado algumas garrafas de água mineral na geladeira e adicionei ao final. Essa técnica é útil pois ajuda a resfriar e a acertar o volume final em seis litros.

Depois de 15 dias fermentando fiz o primming com 30 ml de mel e engarrafei.

Depois de umas duas semanas abri uma garrafa e o resultado foi muito bom, mas ficou mais doce que eu gostaria e com pouco ácido e amargor para equilibrar. Passados alguns meses o aroma equilibrou e ficou bom. Mesmo assim, para uma próxima receita pretendo colocar mais gengibre e talvez mais um pouco de lúpulo e limão.


Segue abaixo uma receita interessante de Braggot que eu encontrei em fóruns gringos, mas ainda não tive oportunidade de tentá-la, posto aqui caso alguém tenha interesse.

Hel - Rabbit's Foot

                                                                                                                                                                   
5 galões - 60min de fervura
Est. OG - 1.099
Est. FG - 1.025
Alc. - 9.7% ABV
Est. IBU - 17.9

Fermentáveis
5.0 lbs. Malte Pale Ale
3.0 lbs. Caravienne
1.0 lb. Malte Amber
1.0 lb. Malte Aromático
0.5 lb Amber Candi Sugar - 10 min. (substituiria por açúcar mascavo sem muito peso na consciência)
5.0 lbs Mel de flor de laranjeira - ao desligar o fogo

Lúpulo:
1.0 oz. Hallertauer Hersbrucker - 4%AA - 55 min.
1.14 oz. Saaz - 4%AA - 5 min.

Especiarias:
1.0 oz. Semente de coentro moída - 5 min.
1.0 oz. Lascas de casca de laranja - 5 min.

Fermento:
Saison (Fermentação Primária)
Belgian Ale (Fermentação Secundária)
A receita não recomenda utilizar nutriente para levedura, mas eu acredito que adicionar um pouco não faria mal.
                                                                                                                                                                   



John Bickerdyke escreveu The Curiosities of Ale and Beer no século XIX, e neste livro ele concluiu que:
Definir braggot com algum grau de precisão seria tão difícil quanto dar uma definição certeira de sopa.


Quem tiver interesse em outras curiosidade sobre cervejas, este antigo livro está disponível digitalmente aqui.



                                                                                                                                                                   
Siga-nos no twiiter: twitter.com/cervasextremas
Curta-nos no facebook: facebook.com/cervejasextremas

Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…