Pular para o conteúdo principal

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na Cerveja

Alguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas:
  • Nibs de cacau
  • Cacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)
  • Chocolate em pó
  • Aromatizante sabor chocolate

Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma.
Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resultados usando o cacau em pó, e pretendo testar dessa forma em breve. Já o uso do chocolate em pó e do aromatizante sabor chocolate não me interessam por que acho que ficaria uma bebida mais doce – do tipo da Baden Baden Chocolate, enquanto o que eu busco é algo mais próximo de uma Cacau IPA da Bodebrown ou uma Double Chocolate Stout da Young’s.
O máximo a ser colocado, de acordo com diversas fontes, para um lote de 5 galões (19 litros) são 8 oz (226g). Já o mínimo para que se tenha um aroma perceptível é algo questionável; em alguns lugares eu li que seriam 6 oz e em outros que seria possível perceber um aroma com menos cacau, o mínimo que eu vi foi 2 oz (tudo em lotes de 19 litros).
É importante salientar que o cacau possui um componente fungicida, e assim não se aconselha adicioná-lo antes de finalizada a fermentação primária. Além disso, é bom adicioná-lo em um ambiente que já tenha álcool pois esse ajuda a extrair os aromas.
Li várias discussões em fóruns gringos sobre como usar o cacau, e vou listar abaixo:
  • Colocar os nibs diretos no fermentador secundário
  • Colocar os nibs direto no fermentados secundário, mas após passar 10-20min no forno a 150oC para evitar a contaminação
  • Colocar os nibs em vodka por três-quatro-dias e depois jogar tudo no fermentador secundário - colocando apenas a quantidade de vodka suficiente para cobrir os nibs - o uso da vodka se justifica porque existem componentes voláteis do cacau que não são solúveis em água
  • Colocar os nibs em vodka por uma semana e depois extrair o líquido, determinar a dosagem usando uma cerveja similar, e utilizar esta dosagem ao engarrafar

Assim, eu resolvi testar algumas destas práticas e preparei uma Oatmeal Stout.
Stout na panela!

Depois de fermentar por uma semana eu separei em quatro lotes.
  1. Um lote de 10 litros – no qual coloquei 70g de cacau direto no fermentador secundário após passar uns 20 min no forno


  1. Um lote de 4 litros – coloquei 35g de nibs em cachaça(sim, troquei a vodka pela cachaça) por quatro dias e depois joguei tudo no fermentador secundário


  1. 2 litros – Coloquei 35 g de  nibs em cachaça por uma semana e depois de extrair o líquido, determinei a dosagem experimentando com uma cerveja similar, e utilizei esta dosagem ao engarrafar (10ml para 500ml)
Na foto da direita: um pouco de "spirit"que sobrou dessa experiência


  1. 4 litros – não adicionei cacau em nenhuma forma - ficou sendo a "Stout Base"

O resultado pode ser visto nas fotos abaixo:

1 - Ficou com um aroma de chocolate BEM amargo, e como pode ser visto na foto, a gordura do cacau não atrapalhou em nada a retenção de espuma, mascarou um pouco o gosto de café da Stout Base, mas o resultado geral foi excelente!

2 - O aroma de chocolate é bem perceptível, mas o amargor é sutilmente menor que o anterior. O resultado final é bem satisfatório.

3 - Essa apresentou o aroma do cacau bem amargo, mas teve algo mascarado pela cachaça. O resultado final foi bom, ficou bem gostoso. Ficou melhor que a Stout Base, mas as outras versões ficaram melhores. Novamente não se percebe problema com a retenção de espuma.

4 - A cerveja Stout Base ficou com um aroma bem significativo de café, e a espuma não ficou tão encorpada quanto se era de esperar de uma Oatmeal stout

No mesmo dia eu experimentei duas stouts comerciais para referência. A Stout da Saint Bier e a da Coopers. Mas nas vias de fato, eu diria que as minhas versões com os nibs ficaram mais parecidas com a Porter Old Engine Oil da Harviestoun.

Conclusão


Pude concluir que a primeira técnica é a mais eficaz, dando o aroma mais limpo de cacau como se era de esperar, seguido pela segunda técnica e então pela terceira que apresentou um gosto um tanto forte da cachaça, mas nada que prejudicasse a cerveja, apenas fugiu ao resultado esperado. Foi interessante perceber que o receio de que a gordura do cacau possa prejudicar a retenção de espuma pareceu ser infundado. 
Nas vias de fato, as três técnicas estão aprovadas. Talvez se eu tivesse utilizado vodka, ao invés da cachaça, teria obtido um resultado mais parecido para os três experimentos, mas não posso me queixar, já que a cachaça incorporou um aroma interessante. De qualquer forma, eu aconselho a primeira técnica por questões de praticidade, sendo que utilizando-se nibs comerciais dispensaria a utilização do forno .

Postagens mais visitadas deste blog

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…