Pular para o conteúdo principal

8 Fatos Extremos Sobre Cervejas

1 - A receita mais antiga conhecida é uma receita de cerveja

O Hino para Ninkasi é uma canção em homenagem à deusa da cerveja da Suméria. Foi escrita em tábuas de barro no século 19 A.C. em escrita cuneiforme - uma das primeiras formas de escrita conhecida. Em certo trecho do hino é possível identificar uma receita para cerveja da época. 





No início dos anos 90, Fritz Maytag da Anchor Brewing e Dr. Solomon Katz da Universidade da Pensilvânia reproduziram esta cerveja. É possível encontrar uma versão em inglês da receita na fonte abaixo (o artigo da revista Brew Your Own) e, em um post do fórum homebrewtalk, um colega traduziu esta receita para o português. A receita é bem trabalhosa e demanda que se prepare primeiro um vinho de tâmaras, depois um pão sem fermento e só então que vai se realizar a brassagem propriamente dita. Mas parece uma proposta bem interessante.

fonte: http://byo.com/stories/item/144-archaeobeer


2 - Havia mais de 4.000 cervejarias nos Estados Unidos em 1873, 100 anos depois havia apenas 89

Havia mais de 4.000 cervejarias nos Estados Unidos em 1873, esse número caiu a menos de 100 entre os anos 70 e 80 e voltou a crescer a partir de 1986. Hoje existem mais de 3.000 e o número continua crescendo!

Evolução do Número de Cervejarias nos USA

Fonte: https://www.brewersassociation.org/statistics/number-of-breweries/


3 - A cerveja mais forte do mundo tem 67,5% 55% de álcool


Os escoceses Lewis Shand e John McKenzie da Cervejaria Banffshire's Brewmeister passaram nove meses criando a Snake Venom, que eles alegaram que tinha 67,5% de álcool.... Só que não!
Eles não comprovaram isso e alguns especialistas independentes chegaram à simples marca de 16,5% de graduação alcóolica ao analisar a Snake Venom. 
Assim, o Guiness Book continua registrando como recorde mundial o da "The end of history" da também escocesa Brewdog com 55%. Cerveja cujo desenvolvimento foi uma história bem conturbada e interessante.



No site da Schorschbrau eles estão anunciando um novo recorde de 57%. Pelo visto esta novela terá mais uns capítulos!

fonte: http://www.dailyrecord.co.uk/news/scottish-news/scots-pals-who-brewed-worlds-2485696
http://www.guinnessworldrecords.com/world-records/strongest-beer-ever-sold
http://thebeercast.com/2014/04/brewmeister.html


4 - O Lúpulo é uma planta da mesma família da maconha

Cannabaceae é uma pequena família de plantas da ordem Rosales que inclui os gêneros Cannabis (Cannabis sativa = maconha) e Humulus (Humulus lupulus = lúpulo).



fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cannabaceae


5-Na República Tcheca a cerveja é mais barata que a coca-cola

True story!
\o/ \o/ \o/

Inclusive, os Tchecos são os líderes em consumo anual com a respeitosa marca de 140 litros.

fonte: http://tastiger04.hubpages.com/hub/Fun-Facts-About-Beer http://www.pintprice.com/region.php?/Czech_Republic/USD.htm


6 - Existe uma empresa que faz sorvete de cerveja com álcool

Já experimentei sorvete de cerveja, mas nunca uma que me deixasse bêbado. A Pumpking Ale tem 3.2% !!



fonte: http://www.frozenpints.com/flavors


7 - Há uma palavra em inglês para descrever o colecionador de garrafas de cerveja

É "Labeorphilist". Em português ficaria algo como Labeorfilista? A maior coleção de garrafas que já existiu pertencia a Ron Werner (USA) e consistia em 25.866 ítens, fazendo dele o maior labeorfilista de todos os tempos.
Para finalizar este item, já que estamos falando de palavras estranhas relacionadas à cerveja - "Cenosillicafobia" é o nome para o pavor de copos vazios.

fontes: http://www.guinnessworldrecords.com/world-records/largest-collection-of-beer-bottles
http://www.hintsandthings.co.uk/games/collectors.htm


8 - Na África a cerveja de banana é uma bebida muito comum

Em diversas regiões do mundo se bebem fermentados cujos açúcares são provenientes de fontes diferentes dos nossos usuais (cevada, arroz e uva); como fermentados de banana, mandioca, milhete, sorgo, milho, etc. Em várias regiões da África o consumo de cerveja de banana é tão fortemente difundido que surgiram diversas marcas comerciais.

Cerveja de banana da Tanzânia

No livro "Sacred and Herbal Healing Beers"do Stephen Buhner tem uma receita de cerveja de banana da tribo Wachagga, chamada pombe:
  • 2 quartos* de bananas bem maduras
  • fermento
  • 5 quartos* de água
  • 3 quartos* de farinha de milhete ou cevada maltada
* quarto é uma medida de volume que corresponde a aproximadamente um litro

Esmague as bananas e cozinhe sem água, resfrie e adicione o fermento. Deixe fermentar durante quatro dias em um pote de madeira.
No quinto dia adicione os cinco quartos de água.
No sexto dia, misture a farinha com água suficiente para fazer uma massa. Filtre o líquido do "suco da banana" e misture com esta massa. Deixe descansar coberto. Beba/coma! É considerado uma bebida/alimento é tudo é aproveitado.

Ainda não tive oportunidade de tentar essa receita, mas está nos meus planos e em breve devo criar um post sobre esta experiência.

S. Buhner, Sacred and Herbal Healing Beers



Postagens mais visitadas deste blog

Minhas Impressões sobre Cacau - II

Cacau na CervejaAlguns maltes aromáticos são tostados até apresentarem um aroma extravagante de chocolate negro e café. Esses maltes são muito apreciados em stouts, brown ales e porters. Com o tempo isso levou os cervejeiros a pensarem em outras  formas de se adicionar estes aromas nas cervejas.




Como colocar o aroma de chocolate na cerveja feita em casa? Bem, fora o uso do malte chocolate, existem algumas outras formas: Nibs de cacauCacau em pó (ao se preparar o chocolate, quando você extrai a parte gordurosa dos nibs de cacau, o que sobra é o chamado cacau em pó)Chocolate em póAromatizante sabor chocolate
Pelo que eu li em diversas fontes, a forma mais proveitosa de se fazer isso é usando os nibs de cacau, apesar de usar cacau em pó ter suas vantagens e uma delas é a menor porcentagem de gordura, a qual pode impactar a formação de espuma. Eu apenas tentei usando de nibs de cacau e por isso vou abordar apenas essa forma aqui. Mas já li muitos relatos de pessoas conseguindo ótimos resulta…

Receitas com Bagaço de Malte

Fazer cerveja em casa é um hobby que tende naturalmente a ser mais sustentável do que comprar cervejas industrializadas. Isto ocorre por diversos motivos, dentre eles: a logística de líquidos engarrafados que depende de combustíveis fósseis, a utilização de materiais brutos pela indústria que utilizam papelão e plásticos para caixas, a fabricação das garrafas de vidro que são descartáveis(enquanto o cervejeiro caseiro reaproveita as garrafas), etc. Logo, produzir em casa é uma boa forma de beber boas cervejas e ajudar a salvar o planeta.
No entanto, apesar do relativamente menor impacto ecológico do hobby, nós sempre podemos fazer um pouco mais. Por isso pretendo descrever algumas ideias sobre como minimizar o impacto no meio ambiente e de quebra, economizar alguns tostões. Um dos principais meios para isso é abordar o aproveitamento do Bagaço do Malte, o qual tem alto valor alimentício pois, descartando a água absorvida, ele é composto de fibras(~70%) e proteínas(~20%), e sempre com…

Gengibirra

Gengibirra ou Ginger Ale é um refrigerante feito a partir do gengibre. Na Wikipedia afirma-se que foi inventado por um médico americano em 1851, no entanto no livro Sacred and Herbal Healing Beers é possível encontrar uma receita de 1819 que havia sido publicada em um livro de receitas.
Aqui em Curitiba é bem comum encontrar a Gengibirra da Cini, mas no resto do Brasil é considerado algo bem exótico um refrigerante feito a partir do gengibre. Na verdade é mais comum do que nós pensamos, existindo versões comerciais nos Estados Unidos, Canadá, Japão e Inglaterra.
Em todas receitas de Gengibirra artesanais que eu encontrei constam os seguintes ingredientes: água, gengibre, açúcar (na maior parte das vezes mascavo), limão e fermento de pão. Alguns apresentam alguns componentes a mais como: clara de ovo, creme tártaro (bitartarato de potássio), ictiocola (colágeno obtido da bexiga de peixes), abacaxi e mel.


As receitas que a gente encontra na internet e em livros como o Sacred and Herbal…